inteligência artificial na tomada de decisões

O uso da inteligência artificial na tomada de decisões dos C-level!

Tomar decisões de forma rápida e precisa é o desejo de todo C-level. Afinal, são elas que ajudam as empresas a evoluírem. Por isso, o uso da inteligência artificial na tomada de decisões tem crescido e avançado: ela ajuda nas análises preditivas ao pegar dados do passado e construir modelos para fazer suposições que permitam antecipar o futuro.

Para isso, usa algoritmos inteligentes que ajudam as máquinas e os sistemas a aprenderem sozinhos. Eles simulam a capacidade do ser humano de pensar e resolver problemas — tudo isso de forma automática e proativa. Essas características fazem dela a principal aliada dos C-levels nas tomadas de decisão.

Não é à toa que os especialistas a apontam como tendência para 2018. Neste post, você vai saber mais sobre os benefícios e as vantagens de usar a inteligência artificial para apoiar as tomadas de decisão. Boa leitura!

Qual o contexto

Já houve um tempo em que a inteligência artificial era vista como uma ameaça ao emprego. Com o avanço tecnológico e a consequente transformação digital, porém, ficou claro que ela é um impulsionador da inovação e do crescimento dos negócios.

O caminho natural, atualmente, é que os tomadores de decisão escolham treinar a equipe para que ela consiga usar as potencialidades da inteligência artificial. Afinal, a quantidade de dados produzidos é cada vez maior — e essas informações têm a capacidade de fornecer insights valiosos para eficiência e desempenho.

Os dados em seu formato original, sem contextualização, não têm muito valor. É aí que a interferência humana se torna essencial: os dados devem ser devidamente preparados antes de serem usados por ferramentas específicas. Só assim serão úteis e realmente ajudarão a impulsionar a organização.

Como se comporta

A inteligência artificial é capaz de processar bilhões de bytes em dados em minutos para oferecer insights e, ao mesmo tempo, entender como os padrões são criados para, depois, aprender a prever seu comportamento. Nesse ponto, a consciência humana faz toda a diferença no processo.

Afinal, pessoas com realidades diferentes tomam decisões distintas a partir de um mesmo conjunto de informações. Assim, a inteligência artificial pode sugerir uma tomada de decisão objetiva, mas a consciência do C-level será responsável por julgar e selecionar a alternativa que faz mais sentido para a companhia.

Com o tempo, o aprendizado da solução de inteligência artificial fará com que as decisões se tornem cada vez mais parecidas com aquelas já tomadas pelos C-levels. No sentido macro, o software recebe informações de toda a empresa, analisa as diferentes decisões tomadas e, assim, entende sua realidade.

Quem usa

No universo da inteligência artificial, as possibilidades são muitas. O TensorFlow, por exemplo, foi liberado como software livre pelo Google: qualquer um (indivíduo ou empresa) pode usá-lo. E muitas organizações já o estão adotando para criar novos modelos de governança e tomadas de decisão.

Uma das versões de inteligência artificial mais usada pelas empresas é o chatbot. Os robozinhos ajudam a companhia a coletar os mais diferentes tipos de dados no contato com os consumidores — depois eles podem ser usados nas tomadas de decisão que afetam o relacionamento com o cliente.

Mais sofisticado, o Watson, da IBM, é outra opção de inteligência artificial que ajuda as organizações a terem sucesso nas tomadas de decisão. No Brasil, o Bradesco usa a ferramenta para responder às dúvidas de gerentes de agências. O próximo passo é ajudar os atendentes a responder às perguntas dos correntistas.

O custo de um sistema de inteligência artificial pode variar de zero a milhões de dólares — dependendo das características e da complexidade do sistema. As companhias relutam em divulgar esses dados, mas há sistemas gratuitos para quem quer fazer uma experiência inicial. Vale lembrar que nem sempre o mais caro é a melhor opção.

Em resumo, o avanço das tecnologias cognitivas aumenta as possibilidades de sucesso. Cada vez mais, os C-levels tendem a confiar no auxílio da inteligência artificial nas tomadas de decisão. Especialmente aquelas que envolvem os aspectos mais sensíveis da organização.

Sua empresa já usa sistemas desse tipo? Então assine nossa newsletter para se manter sempre por dentro das novidades nessa área.

Avalie este post!

Comentários

comentários

Juliano da Monitora
Produtor de Conteúdo na Monitora